Notícias

TSE arquiva ação contra chapa de Bolsonaro e Mourão

Campanha de Fernando Haddad entrou em 2018 com ação contestando outdoors espalhados em diversas cidades brasileiras, com elogios a Bolsonaro

Por unanimidade, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu arquivar na noite desta terça-feira (23) uma ação que investigava a campanha de Jair Bolsonaro e seu vice, Hamilton Mourão, por suposto abuso de poder econômico envolvendo a veiculação de 179 outdoors em 25 estados brasileiros a favor do então candidato do PSL ao Palácio do Planalto.

A sessão, realizada por videoconferência, foi marcada pelo som de cornetas e buzinas de carros de apoiadores de Bolsonaro, que se manifestaram na área externa do tribunal – o barulho foi captado pelo áudio da TV Justiça.

Os outdoors, contestados em ação apresentada pela campanha de Fernando Haddad (PT), traziam uma série de mensagens elogiosas a Bolsonaro. “É melhor ‘Jair’ se acostumando. Um feliz 2018” e “Presidente Bolsonaro, honra e moral” e “Bolsonaro 2018. Defensor da Família, político honesto”. Muitas das mensagens foram instaladas no início de 2018, muito antes das eleições, em municípios de população pequena, inferior a 45 mil habitantes.

“Não é possível afirmar que a instalação de outdoors em alguns municípios de alguns Estados tenha revelado gravidade suficiente a ponto de provocar um desequilíbrio na eleição presidencial de 2018, cuja abrangência dizia respeito a 27 unidades da federação, com 5.570 municípios”, observou o relator do caso, ministro Og Fernandes.

O entendimento do relator foi acompanhado por todos os outros ministros que participaram do julgamento. “A questão central diz respeito precisamente à ausência de prova suficiente para evidenciar gravidade que afete o equilíbrio do processo eleitoral no país”, disse Fachin.

Em seu voto, o ministro Luís Felipe Salomão destacou que os responsáveis pelos outdoors disseram que a ação foi espontânea, sem interferência dos então pré-candidatos, e realizada mediante financiamento coletivo. Em parecer enviado ao TSE, o MP Eleitoral já havia apontando que não há elementos de provas sobre uma eventual “ação coordenada” de Bolsonaro e Mourão.

“Saliente-se que o custo da confecção dos outdoors alcançou R$ 141.332,00, montante que aparenta irrisório no contexto de campanha presidencial, cujo teto de gastos foi de 70 milhões de reais (ou seja, 0,13% do total), e mesmo frente à campanha dos investigados, que despenderam R$ 2.456.215,03 (as despesas com a publicidade representariam, portanto, 5,64%)”, frisou Salomão.

“Pelo teor das mensagens, pelo número de outdoors, pelo seu alcance e por seu custo, a improcedência é medida que se impõe”, concluiu Salomão.

Por Estadão Conteúdo

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios