Geral

Sobe para 61 os casos de coronavírus em navio atracado no Japão

O número total de pessoas infectadas no Japão é de 86

As autoridades japonesas detectaram 41 novos casos de infeção por coronavírus a bordo do cruzeiro Diamond Princess que está sob quarentena no porto de Yokohama, no Japão. Com isso, sobe para 61 os casos confirmados a bordo, sem contar com o residente de Hong Kong que saiu do navio na região administrativa especial chinesa. O número total de pessoas infectadas no Japão é de 86.

O ministro da Saúde do Japão, Katsunobu Kato, informou, em conferência de imprensa, que 21 dos 41 novos casos confirmados são japoneses. Dentre os demais infectados estão oito norte-americanos, cinco australianos, cinco canadenses, além de um britânico e um argentino, que vem a ser o primeiro caso de infecção em nacionalidade latino-americana.

Os demais 20 casos a bordo do Diamond Princess tinham sido detectados no início da semana e os infectados foram encaminhados para centros médicos de Tóquio e de outras localidades próximas, onde estão sendo tratados. As autoridades sanitárias continuam a realizar exames médicos em passageiros e tripulantes do cruzeiro, com 3,7 mil pessoas a bordo. O navio está sob quarentena desde segunda-feira (3) e por um período de duas semanas.

O navio, que na quarta-feira (5) se afastou da costa para limpezas, vai voltar a ficar ancorado no porto de Yokohoma, ao sul de Tóquio, para aprovisionamento, enquanto os infectados serão levados para centros médicos na região.

Ontem (6), o governo japonês decidiu não autorizar a entrada no país de um outro cruzeiro, o Westerdam, proveniente de Hong Kong, após a confirmação de um caso de coronavírus. Este cruzeiro zarpou no sábado (1), atracou em um porto de Taiwan e seguia a rota com destino ao Japão.

Em coletiva de imprensa diária, o ministro porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, informou ter chegado nesta manhã ao Japão um quarto avião com 198 pessoas que viviam na cidade chinesa de Wuhan, o epicentro do surto do novo coronavírus, e tinham pedido para regressar ao país.

Ao todo, foram já repatriados de Wuhan 763 pessoas de nacionalidade japonesa ou familiares de outras origens.

Na quarta-feira de manhã, uma equipe das autoridades de saúde da região administrativa especial chinesa embarcou no World Dream para realizar inspeções médicas às 3,6 mil pessoas após o navio atracar no terminal de Kai Tak, em Kowloon, ao qual chegou depois de ter sido recusado pelas autoridades de Taiwan.

Os 1,8 mil passageiros e 1,8 mil tripulantes foram mantidos a bordo do navio de cruzeiro no porto de Hong Kong para se submeterem a exames médicos, depois aa confirmação de três passageiros chineses, que tinham viajado na embarcação, estarem infetados com 2019-nCoV.

As autoridades de saúde de Hong Kong tentam rastrear todas as pessoas que viajaram no World Dream, muitas das quais desembarcaram na região administrativa especial chinesa em janeiro.

O cônsul-geral de Portugal em Hong Kong e Macau, Paulo Cunha Alves, afirmou que as sete pessoas com passaporte português que estão a bordo do cruzeiro retido em Hong Kong estão bem.

“Nos foi dito que todos eles foram submetidos a testes médicos e, até ontem, não haviam sido detectados problemas de saúde, mantendo-se em quarentena”, escreveu Cunha Alves, em e-mail enviado à Agência Lusa.

O número de mortes pelo novo coronavírus subiu nesta sexta-feira para 636, com 31.161 pessoas infectadas, anunciaram as autoridades chinesas. Desde o último balanço, na quinta-feira, registaram-se mais 73 mortes e 3.143 casos de infeção.

Dos casos de infeção, 4.821 são considerados graves, enquanto 1.540 pessoas que estiveram doentes já tiveram alta, indicou a Comissão Nacional de Saúde chinesa. As autoridades acompanharam mais de 314 mil pacientes, 186 mil dos quais continuam sob observação.

A primeira pessoa a morrer por causa do novo coronavírus fora da China foi um cidadão chinês nas Filipinas.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infecção confirmados em mais de 20 países.

Na Europa, o número de casos confirmados chegou hoje a 31, com novas infecções detetadas no Reino Unido, Alemanha e Itália.

A Organização Mundial de Saúde declarou, há uma semana, o surto do novo coronavírus uma emergência de saúde pública internacional devido ao risco elevado de propagação do 2019-nCoV.

A emergência internacional supõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação em termos mundiais.

Com informações da Agência Brasil

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios