Economia

Processos trabalhistas caem 32% sob efeito da reforma promovida em 2017

Cerca de 700 mil processos deixaram de ser abertos na Justiça. A principal causa é o pagamento dos advogados vencedores por parte de quem perde a ação

Os processos trabalhistas diminuíram 32%, em 2019, em comparação com dados levantados pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), em 2017, quando as novas regras previstas na reforma trabalhista passaram a valer.

De acordo com os dados do TST, entre janeiro e outubro de 2017, as varas trabalhistas tinham mais de 2,2 milhões de processos. No mesmo período de 2019, a quantidade de processos caiu em cerca de 700 mil e, hoje, não passa de 1,5 milhões.

Segundo especialistas ouvidos pelo site do jornal Folha de São Paulo, a principal causa para a queda do número de processos na Justiça trabalhista é a regra instituída pela reforma que impõe a parte vencida a obrigatoriedade de pagar os honorários dos advogados da parte vitoriosa nos processos.

A reforma trabalhista foi aprovada no Congresso Nacional e sancionada durante o governo de Michel Temer, em novembro de 2017.

 

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios