Economia

Prévia da inflação tem menor nível para novembro em 21 anos

Novembro registrou prévia da inflação de 0,14%, divulgou nesta sexta-feira (22) o IBGE

Novembro registrou prévia da inflação de 0,14%, divulgou nesta sexta-feira (22) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O resultado mostra leve aceleração em relação ao mês anterior, que registrou 0,09%.

Este é o menor resultado para um mês de novembro desde 1998, quando o IPCA-15 (Índice de Preços ao Consumidor Amplo-15, prévia da inflação oficial) registrou 0,11%. Em comparação ao mesmo período de 2018, a taxa foi de 0,19%.

Os grupos que tiveram alta foram o de vestuário (0,68%), o de despesas pessoais (0,40%) e o de transportes (0,30%). Após ter deflação em outubro (-0,25%), o grupo de alimentação e bebidas apresentou leve alta (0,06%), contribuindo com 0,02 pontos percentuais.

Transportes apresentou o maior impacto entre os grupos, com 0,06 pontos percentuais. Após a alta da gasolina (alta de 2,53% em novembro), óleo diesel (0,58%) e gás veicular (0,10%) levaram a um aumento de 1,07% no resultado dos combustíveis. Outro ponto que cooperou para alta em transportes foi o aumento nas passagens aéreas (4,44%) após variação de 2,10% em outubro.

Na última semana, a gasolina subiu pela terceira semana seguida par R$ 4,407 por litro após um longo período sem alteração de preços nas refinarias. A última mudança feita pela Petrobras foi em setembro.

Vestuários acelerou para 0,68% em novembro. Roupa masculina (1,15%), roupa infantil (0,65%) e roupa feminina (0,49%) influenciaram na alta do mês. Já despesas pessoais também aceleraram, passando de 0,16% para 0,40%, puxados pelo empregado doméstico (0,31%) e jogos de azar (2,46%).

O grupo de habitação (-0,22) foi um dos nove grupos que apresentaram deflação em novembro, com impacto de -0,04 ponto percentual. O grupo foi afetado pela alteração de tarifas praticadas na distribuição de gás encanado no país -com variação de -0,10%- e taxas de água e esgoto -variação de 0,31%.

Segundo o IBGE, o resultado também se deve a energia elétrica (-1,51%). Em setembro, a bandeira vermelha levou a uma alta do índice, enquanto o décimo mês do ano recebeu a tabela amarela de cobranças. Artigos de residência (0,06%) e saúde e cuidados pessoais (0,2%) também apresentaram deflação no mês.

Duas das 11 regiões da pesquisa apresentaram deflação de outubro para novembro. Brasília apresentou o menor resultado, com -0,23%, devido a queda na energia elétrica (-5,44%). Já o maior índice ficou com a região metropolitana de Belém, com 0,33%. O valor foi puxado pelas antas nas carnes (5,77%) e na roupa masculina (2,33%).

Fonte: Folhaprees

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios