Geral

ONU: economia da África do Sul deve demorar cinco anos para recuperar

Recentemente, a África do Sul foi considerada por um relatório do Banco Mundial como o país mais desigual do mundo.

A economia sul-africana deverá demorar cinco anos para se recuperar da recessão prevista devido à pandemia de covid-19, advertiram hoje as Nações Unidas (ONU), que estimam um aumento acentuado da pobreza e da desigualdade no país. De acordo com as previsões do Banco Central da África do Sul, o produto interno bruto do país, o mais industrializado na África, deverá contrair em 7,3%.

Numa tentativa de travar a propagação da covid-19, o Presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, ordenou, no final de março, medidas de contenção que colocaram a atividade do país em suspenso.

Desde então, a maioria das restrições foram levantadas, mas a sua aplicação afetou severamente as empresas e a população sul-africana.

A África do Sul é o país da África Subsaariana mais afetado pela covid-19, ultrapassando 600 mil infecções e 13 mil mortes.

Num estudo publicado hoje, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) prevê uma “recuperação lenta [da economia sul-africana] até 2024”.

Antes da pandemia, a economia sul-africana apresentava-se já com algumas dificuldades, com um baixo crescimento, uma deterioração das finanças públicas e uma taxa de desemprego próxima dos 30%, que deve aumentar nos próximos meses.

De acordo com o PNUD, a crise sanitária deverá aumentar a pobreza extrema no país e empurrar um terço dos agregados familiares de classe média para a categoria de vulnerável.

Recentemente, a África do Sul foi considerada por um relatório do Banco Mundial como o país mais desigual do mundo.

Cyril Ramaphosa, que lançou um plano de 24 mil milhões de euros para apoiar empresas e população mais pobre, prometeu hoje um novo programa para promover uma “nova economia que crie empregos e promova o crescimento inclusivo”, refere a agência France-Presse.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 809 mil mortos e infectou mais de 23,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Na África, há 27.779 mortos confirmados em mais de 1,2 milhões de infectados em 55 países, segundo as estatísticas mais recentes sobre a pandemia no continente.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

As medidas para combater a pandemia paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 4,9% em 2020, arrastada por uma contração de 8% nos Estados Unidos, de 10,2% na zona do euro e de 5,8% no Japão.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios