Saúde

MS recomenda ampliação da vacinação contra gripe nos municípios

Além disso, a Pasta orienta que todas as equipes de saúde tomem as precauções necessárias de segurança e realizem uma vacinação sem sujeitar a população e as equipes de saúde a outras infecções

Com o fim da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, em que mais de 18 milhões de pessoas do público prioritário não tomaram a vacina, o Ministério da Saúde recomenda que estados e municípios prorroguem a vacinação à população em geral até quando durarem os estoques da vacina excedentes da campanha. De acordo com a Pasta, o intuito da medida é evitar desperdícios de doses nas localidades que não alcançaram a meta de imunização no público-alvo.

Além disso, o Ministério da Saúde orienta que todas as equipes de saúde tomem as precauções necessárias de segurança e realizem uma vacinação sem sujeitar a população e as equipes de saúde a outras infecções. Ao todo, foram distribuídas 79,9 milhões de doses no Brasil. O investimento total foi de R$ 1,1 bilhão para as três fases da campanha.

A vacina da gripe protege contra os três subtipos do vírus influenza que mais circularam no último ano no Hesmifério Sul, de acordo com determinação da Organização Mundial da Saúde (OMS). O grupo prioritário é composto por idosos com 60 anos ou mais de idade; trabalhadores da saúde; membros das forças de segurança e salvamento; pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais; caminhoneiros; motoristas e cobradores de transporte coletivo; e trabalhadores portuários.

Também fazem parte do rol de prioridade os povos indígenas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; pessoas com deficiência; professores de escolas públicas e privadas; crianças de 6 meses a menores de 6 anos; gestantes; puérperas (pós-parto até 45 dias) e pessoas de 55 a 59 anos de idade.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios