Saúde

Morte de macacos por febre amarela pode indicar pico da doença nas regiões Sul e Sudeste

Apenas no estado do Paraná foram registradas 34 mortes de primatas

Entre julho de 2019 e 8 de janeiro deste ano, 38 macacos morreram por febre amarela nas regiões Sul e Sudeste. Outras mil mortes de primatas com suspeita da doença foram investigadas em todo o Brasil. Os dados são do último boletim epidemiológico divulgado nesta quarta-feira (15) pelo Ministério da Saúde.

De acordo com a publicação, o estado do Paraná concentra 89,5% dos casos do período, com 34 mortes. São Paulo está em segundo, com 7,9%, e em seguida está Santa Catarina, com 2,6%. Desde o reaparecimento da doença na região Centro-Oeste, em 2014, a doença “avançou progressivamente no território brasileiro”, aponta o boletim.

Como consequência, a febre amarela atingiu áreas com baixa cobertura vacinal, onde a vacinação já não era mais recomendada. O estudo revela também que a chegada do vírus ao Vale do Ribeira, em São Paulo, possibilitou sua entrada em Santa Catarina e no Paraná. Estas áreas não registravam circulação do vírus há décadas.

No primeiro semestre de 2019, 14 pessoas morreram devido à febre amarela no Brasil, 12 delas no estado de São Paulo. No período entre julho de 2019 e janeiro de 2020.

A febre amarela é uma doença causada por um vírus transmitido através da picada de mosquitos infectados. Não pode ser transmitida de pessoa para pessoa e nem através de macacos. Os primatas, por sua vez, são importantes para detectar a circulação da doença.

Ela possui dois ciclos de transmissão: silvestre, em áreas rurais e florestas, e urbano. Nas áreas urbanas, é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. A vacina é a principal ferramenta de prevenção contra a febre amarela e é oferecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Só é preciso tomar uma dose durante toda a vida.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios