Notícias

Maia alerta para risco de Congresso elevar novas parcelas do auxílio

Presidente da Câmara disse que, caso o governo mande novos valores do emergencial de R$ 500, R$ 400 e R$ 300, há risco de aprovar 3 de R$ 600

O governo federal sinalizou nesta quinta-feira (25), por meio de uma mensagem, posteriormente apagada do ministro Luiz Eduardo Ramos, que estuda extensão do auxílio emergencial por mais três meses nos valores de R$ 500, R$ 400, R$ 300. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), alertou, no entanto, para o risco de a medida ser alterada na Câmara para três parcelas de R$ 600.

Maia defende que o auxílio emergencial tenha duas parcelas adicionais de R$ 600. Neste caso, a extensão não precisaria tramitar na Câmara. Caso os valores sejam alterados pelo governo, a medida precisa ser aprovada pelo Congresso.

“Acho que sim [há risco de serem aprovadas três parcelas de R$ 600. O valor total, de duas parcelas de R$ 600 ou três, sendo R$ 500, R$ 400 e R$ 300, é o mesmo, não estou entendendo onde está o problema”.

Maia defende duas novas parcelas de auxílio emergencial atreladas a uma discussão de renda básica permanente.

“Até agora estamos ouvindo o governo falar que está construindo uma proposta chamada Renda Brasil e existem muitos parlamentares que discutem há muito tempo e podíamos estar fazendo esse debate juntos, governo e parlamento, para que em um prazo de 60 dias a gente pudesse chegar a um texto que melhorasse e focasse melhor os programas sociais do Brasil. O importante é a gente sentar à mesa e construir um texto que unifique os programas porque tem recursos em muitos ministérios, discussão sobre renda com recursos que podem ser transferidos para um renda mínima”.

O valor da renda mínima, no entanto, não seria próximo dos R$ 600 do auxílio emergencial. O valor do Bolsa Família, por exemplo, é de R$ 189 mensais.

“Claro que não será igual à renda emergencial, mas gerando condições melhores para quem precisa de uma renda”.

Na manhã dessa quinta-feira (25) o ministro da secretaria de governo, Luiz Eduardo Ramos, publicou em sua conta no Twitter que o governo iria pagar o benefício por mais três meses, nos valores de R$ 500, R$ 400 e R$ 300. Depois ele apagou a mensagem. Sua assessoria diz que a mensagem foi apagada porque não há definição sobre o assunto, que ainda está em discussão.

Por R7

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios