Destaque

Julho Amarelo alerta sobre os cuidados de prevenção das hepatites

Silenciosa, doença viral que se caracteriza por uma inflamação no fígado, tem tratamento.

Julho Amarelo foi instituído em todo o País, no ano passado, para ressaltar que existe diagnóstico precoce e tratamentos para as hepatites no Sistema Único de Saúde (SUS). Em 2010, foi instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais a ser comemorado no próximo domingo, 28 de Julho.

As hepatites são um grupo de doenças que provocam inflamação do fígado e as mais frequentes são as virais. Ainda que silenciosa na maioria dos casos, a hepatite pode apresentar sintomas tais como: mal-estar, fraqueza, dor de cabeça, febre baixa, falta de apetite, cansaço, náuseas e desconforto abdominal na região do fígado, icterícia (olhos e pele amarelados), fezes esbranquiçadas e urina escura. Os tipos mais comuns são causados pelos vírus A, B e C.

O Ministério da Saúde estima que existam 1,7 milhões de brasileiros portadores do vírus da hepatite C e 756 mil portadores do vírus da hepatite B, porém muitas pessoas não sabem que têm estes vírus. No Brasil, mais de 70% dos óbitos por hepatites virais são decorrentes da Hepatite C, seguido Hepatite B (21,8%) e Hepatite A (1,7%).

Em Ibiporã, segundo o Setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saúde, no ano passado foram diagnosticados 21 casos de hepatites virais, sendo 15 casos de hepatite B e 6 de hepatite C, na faixa etária de 20 a 72 anos.

Neste ano, foram diagnosticados quatro casos de hepatite B até agora, sendo dois homens e duas mulheres.  A faixa etária oscilou de 53 a 69 anos.

Transmissão

O modo de transmissão depende do tipo do vírus. Sobre os três de maior importância: a hepatite A é transmitida por via fecal-oral, de uma pessoa infectada para outra ou através de água ou alimentos contaminados. O vírus B é transmitido principalmente por via sexual, mas pode também ser transmitido pelas vias parenteral e perinatal (gestação/parto). A hepatite C tem o contato com sangue contaminado como principal via de transmissão.  

Tratamento

O tratamento varia de acordo com o tipo do vírus – a hepatite A, que causa doença aguda, não tem tratamento específico. As hepatites B e C, que causam também doença crônica, têm tratamentos eficazes e disponíveis gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde. A hepatite C atravessa uma revolução no seu tratamento atualmente, com medicamentos que oferecem chances de cura em mais de 90% dos casos.

O tratamento da doença evita complicações, como cirrose e câncer.

Prevenção

Algumas medidas simples podem evitar a doença: lavar bem as mãos; ingerir somente água filtrada ou fervida; lavar bem os alimentos antes do consumo; sempre usar preservativos nas relações sexuais; evitar contato com sangue; exigir material esterilizado ou descartável em consultórios médicos, dentários, salões de beleza, estúdios de tatuagem e colocação de piercing; não compartilhar agulhas ou seringas, lâminas de barbear, escova de dentes, entre outros hábitos de higiene padrão.

É importante ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina, que detectam as hepatites. Este cuidado é ainda mais importante nos seguintes casos: pessoas que não se imunizaram para hepatite B; ou que têm mais de 40 anos e que podem ter se exposto ao vírus da hepatite C no passado (transfusão de sangue, cirurgias).

Em Ibiporã, o teste rápido para hepatite B e C é disponibilizado gratuitamente em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs). Em função da pandemia do novo coronavírus, os testes rápido estão sendo realizados apenas em caso de indicação clínica (presença de sintomas) e gestantes. Não é necessário agendar. Para as gestantes, a orientação da Secretaria Municipal de Saúde é fazer o teste na UBS do Jardim Bom Pastor. As outras unidades em que o teste rápido pode ser feito são: Centro de Saúde, Serraia, San Rafael, La Fontaine (Agenor Barduco), Jardim John Kennedy e Taquara do Reino. Levar um documento com foto e cartão do SUS. O exame, sigiloso, é feito por meio de punção digital, e fica pronto em cerca de 30 minutos.

Vacina

Vale lembrar que há vacinas disponíveis contra hepatite B e contra hepatite A.

Hepatite A  – a vacina está disponível no SUS, sendo oferecida no Calendário Nacional de Vacinação para crianças de 15 meses a 5 anos incompletos (4 anos, 11 meses e 29 dias), e  também imunodeprimidos.

Hepatite B: em crianças, é dada em quatro doses: ao nascer, 2,4 e 6 meses. Para os adultos que não se vacinaram na infância, são três doses a depender da situação vacinal. É importante que todos que ainda não se vacinaram tomem as três doses da vacina. Pessoas que tenham algum tipo de imunodepressão ou que tenham o vírus HIV, precisam de um esquema especial com dose em dobro.

A vacina também é oferecida a grupos prioritários, independentemente da faixa etária, como gestantes, manicures, pedicures, podólogos, caminhoneiros, bombeiros, policiais civis, militares, rodoviários, doadores de sangue, profissionais do sexo e coletores de lixo domiciliar e hospitalar.

Fonte: Caroline Vicentini/NCS/PMI

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios