Ibiporã vê risco de epidemia e pretende multar quem mantiver os focos da dengue nos imóveis

O primeiro Levantamento Rápido do Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), de 2020 em Ibiporã apontou aumento de 0,7%, em relação ao levantamento feito em novembro de 2019....
Foto: Divulgação / PMI

O primeiro Levantamento Rápido do Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (LIRAa), de 2020 em Ibiporã apontou aumento de 0,7%, em relação ao levantamento feito em novembro de 2019. Mesmo assim, o índice é menor do que o registrado no mesmo período do ano passado, quando chegou a 3,6%.

Como o índice considerável tolerável pela Organização Mundial de Saúde (OMS), é de 1%, a cidade começou o ano de 2020 em estado de alerta. Autoridades de saúde intensificaram as ações contra o Aedes aegypti e o morador que não colaborar poderá ser multado. Isso porque, o município decretou a instalação de uma “Força Tarefa contra o Aedes Aegypti”.

O decreto nº 10 de 17 de janeiro de 2020, assinado pelo prefeito em exercício Beto Baccarim (PSDB), determina que a Força Tarefa terá a coordenação do servidor Aldemar Galassi, com o apoio de todos os órgãos e entidades da administração, em especial das Secretarias Municipais de Saúde, Serviços Públicos, Obras e Viação e Meio Ambiente, bem como pelo Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (SAMAE).

Leia ainda – Levantamento aponta aumento da infestação do Aedes aegypti em Ibiporã

Ainda de acordo com o decreto, durante os meses de janeiro a abril, as atividades de fiscalização da “Força Tarefa” serão intensificadas nos pontos mais críticos e suscetíveis de proliferação do mosquito transmissor. Deixa claro, em que estabelecimentos de maior complexidade ou acúmulo de materiais criadouros de mosquito, o proprietário do imóvel será notificado e terá prazo de até 72 (setenta e duas) horas, para providenciar as ações necessárias para eliminar os focos.

Caso isso não ocorra, o proprietário do imóvel poderá ser multado. A multa pode variar entre R$ 70,00 e R$ 350,00. Caso haja reincidência, o valor será cobrado em dobro. A multa nestes casos é prevista no artigo 16, da lei Municipal nº. 2.206 de 10 de setembro de 2008.

Leia abaixo a íntegra do decreto, publicado do Jornal Oficial do Município do dia 17 de janeiro de 2020.

Categorias
Destaque

POSTS RELACIONADOS