Notícias

Governo Bolsonaro completa 600 dias com o desafio de minimizar impactos da pandemia

Palácio do Planalto aposta na prorrogação do auxílio emergencial para alavancar a popularidade do presidente

O governo de Jair Bolsonaro completou 600 dias de gestão. Para celebrar a data, o Palácio do Planalto elencou uma série de ações realizadas ao longo desses quase dois anos do mandato, a maior parte relacionada ao enfrentamento à Covid-19. Nesse período, o carro-chefe do governo federal foi a concessão do auxílio emergencial de R$ 600.

Pesquisa publicada pelo Instituto Datafolha, na última semana, constatou que a aprovação de Bolsonaro alcançou o melhor patamar desde o começo do seu mandato, subindo dos 32%, verificados na segunda quinzena de julho, para 37%. O levantamento também concluiu que a reprovação do governo caiu de 44% para 34% no mesmo período.

Analistas atribuem o resultado favorável principalmente ao pagamento do auxílio emergencial que, segundo o governo federal, alcançou 66,5 milhões de brasileiros. Diante disso, o presidente já confirmou a prorrogação do benefício por mais dois meses, com o valor ainda a ser discutido. Em vídeo publicado nas redes sociais, Bolsonaro ressaltou a importância do auxílio e defendeu a reabertura do comércio em todo o país.

“Esse valor pode não ser muito para quem o recebe, mas é muito para o Brasil, que gasta por mês R$ 50 bilhões. O momento é de abrir o comércio com responsabilidade, voltar à normalidade e resgatar os empregos”, disse.

Nesta terça-feira (25), o governo deve anunciar a criação do programa Renda Brasil, que vai substituir o Bolsa Família. O novo programa prevê a elevação do benefício da média atual, que é de R$ 190 por mês para R$ 247.  Para o cientista político Nauê Ribeiro, o governo federal vem trabalhando cada vez mais no aprimoramento de programas sociais, principalmente porque tem percebido que esse tipo de iniciativa possibilitou a ascensão de sua popularidade.

“Parece que houve uma percepção da área política do governo de que os programas sociais são uma fonte de popularidade e fazem com que as pessoas consigam não apenas sair da fome e da miséria, mas também aumenta a aprovação do presidente”, explica.

Economia

Em maio, a Caixa Econômica Federal criou o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), linha de crédito que tem como objetivo garantir recursos a pequenos negócios e a manutenção dos empregos. O programa está disponível para as microempresas com receita anual de até R$ 360 mil e para microempreendedores que movimentam até R$ 81 mil. Além disso, também foram contempladas empresas de pequeno porte que faturam por ano até R$ 4,8 milhões.

No final de junho, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que a concessão de crédito a empresários por parte do governo federal foi insuficiente. Na última semana, foi publicada uma portaria que prorrogou o Pronampe por mais três meses.

Saúde

Em resposta à pandemia da Covid-19, que já chegou no sexto mês, o governo federal afirma que habilitou cerca de 12 mil leitos de UTI e distribuiu mais de 241 milhões de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). Ao todo, o Palácio do Planalto alega que investiu R$ 41,7 bilhões no enfrentamento à doença.

Previdência

O governo Bolsonaro também se articulou para aprovar a Reforma da Previdência em outubro de 2019, no Congresso Nacional, após quase nove meses de tramitação. Entre outros pontos, a reforma estabeleceu uma idade mínima para que for se aposentar e pôs fim à aposentadoria baseada apenas no tempo de contribuição. O governo federal estima que a reforma possibilitará uma economia de R$ 855,7 bilhões aos cofres públicos nos próximos 10 anos.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios