Economia

Consumidor tenta renegociar faturas atrasadas de energia para evitar o corte.

A pandemia prejudicou a renda de muitas famílias que não conseguiram arcar com as contas. Com faturas de energia elétrica em atraso , muitos tem buscado o parcelamento como solução. A Copel flexibilizou condições de negociação com os consumidores e com isso registrou um aumento expressivo de parcelamento de débitos.

Em apenas 18 dias, a empresa realizou 21 mil pedidos para negociação de dívidas, quase o dobro da média mensal, que é de 12 mil parcelamentos. Entre março e julho, a inadimplência na conta de luz teve um aumento de 25% no Paraná.

Os cortes voltaram a ser permitidos após o fim do prazo da resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que havia determinado a proibição por causa da pandemia, o que levou o consumidor a procurar por agências da Companhia de Energia para o parcelamento das faturas atrasadas. Com o pagamento da 1ª parcela, o cliente evita o corte da energia.

Segundo o gerente de atendimento da Copel, Fernando Deprá o atendimento virtual tem sido a principal ferramenta de negociação com o consumidor. “A Copel tem priorizado a utilização de canais virtuais para parcelamento. O cliente pode realiar a negociação utilizando a agência virtual proprio site da Cope, onde nessa modalidade o cliente já recebe de forma online as faturas de entrada e parcelas. Ou então, encaminhar um email para parcelamento@copel.com com a sua proposta”.

Quem deseja pedir o parcelamento das faturas em atraso, pode fazer o pedido na agência virtual da Copel: www.copel.com.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios