Polícia

Com homenagens: sepultado em Assaí corpo de PM que morreu afogado

O corpo de Ricardo Augusto Cardoso, que trabalhou por 22 anos na Polícia Militar, e morreu afogado no Rio Vermelho, foi sepultado na tarde desta quinta-feira (10) em Assaí, que fica a aproximadamente 45 quilômetros de Londrina. A morte do cabo que trabalhava no Pelotão de Choque londrinense causou grande comoção na cidade.

O cortejo saiu da avenida Santos Dumont, em Londrina, e seguiu até o Cemitério Municipal de Assaí, no Norte Pioneiro. Um grande número de viaturas da PM e do Corpo de Bombeiros acompanhou o corpo de Cardoso. Participaram policias do 5º Batalhão da PM de Londrina, 18º Batalhão de Cornélio Procópio e 15º de Rolândia.

Cortejo seguiu de Londrina até Assaí e foi acompanhando por centenas de policiais da região.

Ele pescava com amigos e familiares no último domingo (6) quando o barco virou e todos caíram na água, entre Porecatu e Alvorada do Sul. Cardoso ainda ajudou salvar as outras vítimas do acidente, antes de desaparecer no rio. Foram quatro dias de buscas e o corpo foi encontrado nesta quarta-feira (9).

Por Tarobá News

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios