Economia

Carne, dólar em alta e FGTS: as causas da inflação que bateu recorde desde 2016

Apesar do IPCA fechar 2019 acima do previsto, especialista do Ibmec/SP aponta que tendência é estabilização do preço este ano, principalmente dos alimentos

A liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a gripe suína na China, com reflexo no preço da carne no Brasil, em 2019, elevaram a inflação. Segundo dados divulgados pelo IBGE, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) fechou dezembro em 4,31%, acima das expectativas previstas pelo mercado. Trata-se da maior inflação anual desde 2016, quando o índice ficou em 6,29%. A boa notícia é que como não haverá mais grande volume de dinheiro em circulação, como na época de fim de ano, e a tendência da China se recuperar na produção de carne, o impacto na inflação deve diminuir em 2020.

Segundo o professor de Finanças do Instituto Brasileiro de Mercados de Capitais (Ibmec/SP) George Sales, o aumento foi pressionado, principalmente, pelo mês de dezembro, quando as pessoas recebem o FGTS e injetam mais dinheiro no comércio, com compras de Natal e Ano Novo. Além disso, ainda segundo o especialista, a crise de produção na China obrigou o país a importar carne do Brasil. “Isso não vai acontecer de novo para os próximos meses porque a China, que fez a importação em excesso do Brasil, teve problema e teve que importar. Como é [um país] muito populoso, causou esse efeito no Brasil, mas isso não vai acontecer mais. As matrizes vão se recompor e vão voltar a produzir carne. E também não terá mais dinheiro em excesso em circulação, como teve com o FGTS. Então, a gente tende a imaginar que os preços se estabilizem”, aponta Sales.

Monitoramento feito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) aponta recuo no preço da carne bovina desde dezembro. Nos principais mercados, a queda foi de cerca de 9%. Em Mato Grosso, a arroba do boi passou de R$ 216 para R$ 197 na mesma semana. Na Bahia, caiu de R$ 225 para R$ 207 e, em Mato Grosso do Sul, a arroba, antes cotada a R$ 220, passou a custar R$ 200. Para George Sales, a carne não pode ser apontada como a única vilã do aumento do IPCA. “O item alimentação, de forma geral, teve um aumento considerável, mas também teve o disparo do dólar e isso, consequentemente, afeta produtos brasileiros porque competem nas exportações. A carne foi a vilã que mais chamou atenção, mas não foi a única”, completa.

Cesta de produtos

O IPCA é um índice que mede a variação de preços de mercado para o consumidor final no segmento de transporte, alimentação e itens de casa, por exemplo. Engloba quem consome de um a 40 salários mínimos e é medido em 11 regiões metropolitanas no Brasil, o que atinge cerca de 70% da população. Baseado no que aconteceu nesses segmentos, o governo utiliza o IPCA como registro de meta de inflação e decide se aumenta ou diminui a taxa básica de juros por meio do Banco Central.

Dólar

Em novembro do ano passado, o dólar fechou em alta e atingiu o maior valor nominal da história sobre o real. A moeda norte-americana subiu 0,5% e fechou o dia a R$ 4,21. Já o dólar turismo terminou o dia vendido perto de R$ 4,40, sem considerar os impostos. No ano todo, o avanço registrado até novembro foi de 8,74%.

Carne

A peste suína chegou à China em 2018. No ano passado, o país chegou a ficar com os estoques de carnes congeladas na reserva. Quatro cidades ou províncias chinesas – que abastecem cerca de 130 milhões de pessoas – teriam diminuído seus estoques de carne congelada para colocar mais produtos no mercado. O aumento da demanda pelo alimento nacional elevou os preços nos açougues do Brasil.

FGTS

O FGTS é uma poupança feita pela empresa em nome do trabalhador que funciona como uma garantia para protegê-lo em caso de demissão sem justa causa. O depósito é feito todo mês pela empresa e equivale a 8% do salário. A conta do FGTS rende juros e correção monetária no final do período de um ano. O governo mudou as regras de saque em 2019 e permitiu que os trabalhadores que tinham contas ativas e inativas pudessem sacar até R$ 500 no fim de ano.

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios