Economia

Câmara aprova suspensão do pagamento do Fies durante estado de calamidade pública

A Câmara dos Deputados aprovou o projeto que suspende os pagamentos do Fies durante o estado de calamidade pública. O texto segue agora para sanção presidencial.

Fica suspenso o pagamento das parcelas a partir de 20 de março deste ano e a medida vale somente para os alunos que estão em dia com as prestações do financiamento, ou com parcelas em atraso por, no máximo, 6 meses.

Após o período de pandemia, os estudantes poderão quitar os pagamentos em uma só parcela, com desconto de juros ou em até 4 vezes, semestrais, até 2022. O texto também prevê a quitação em até 175 parcelas mensais, mas aí os juros vão subindo proporcionalmente.

O relator Moses Rodrigues, do MDB, afirma que a medida vai ajudar os estudantes e garante a sustentabilidade do fundo.

Além da votação do Fies, outra notícia que repercutiu no Congresso nesta quinta-feira (18) foi a demissão do agora ex-ministro da Educação Abraão Weintraub.

Antes de sair, assinou uma portaria que desobriga instituições federais de ensino superior a estabelecerem programas de cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência nos programas de mestrado e doutorado.

Parlamentares de vários de partidos reagiram e até agora, 8 projetos de decreto legislativo foram apresentados para tentar anular o documento.

Em coletiva de imprensa, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, informou que vai conversar com o governo para revogar essa portaria, sem a necessidade de votar um decreto que, na avaliação de Maia, pode trazer desgaste e polêmica ao governo.

Por Agência Brasil

Artigos relacionados

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios